CATACLISMO

A raça humana ainda persiste na ilusão da separatividade, por isso mata, decompõe a natureza, vinga-se do próprio espelho e desconstrói o sentido caduco da terminologia “religião” – do latim, religare, deixando de se unificar ao próprio mestre interior, esquecendo-se de que ela é o próprio deus e não esses outros quaisquer que estão no comando, a mando de não sei quem, qual seja a entidade ou representação.

A maioria, não sendo capaz de atuar como sujeito de princípio ativo e se responsabilizar por seus atos – falhos ou não, sujeita-se a ser nada além de sombra em caverna, comidinha na mão dos patrões, eterna vítima desses ladrões de alma. Projeta-se sempre ao exterior, ao ditador, ao príncipe, ao invisível promissor, porque olhar para si do lado de dentro parece dilacerante. Miseravelmente, liga-se à prestidigitação canhestra da televisão, que veste o mau gosto, elege a tragédia preferida e induz passividade à massa anticrítica até uma completa aniquilação de sensibilidades.

Assim, frequenta a esquizofrenia desses templos vários e se fragmenta, justamente por não se apropriar da própria divindade. Quem acredita nesse deus da morbidade, nunca há de se sustentar como indivíduo. O Amor não é teatro. Portanto, abrace tudo o que é vivo enquanto há tempo, mas nada que te faça indigno, nenhuma coisa que te acomode inválido. Sentimento nunca deveria ser assassinado, em qualquer parte do mundo, porque jamais seremos uma perna extirpada se nos adequarmos ao abraço do universal. Estaticidade nunca alargará um horizonte já eclipsado. O brilho, que deveria ser próprio, reflete das telas direto para os rostos aficionados. Redes sociais. Sabemos cada vez mais de um tudo sem ainda percebermos o todo ou quão valemos aos olhos dos outros. Quem se importa?

Ser o que se é, preto, mulher, aleijado, criança, gringo, aborto ou selvagem garantirá mais coragem como reserva salvacionista nos próximos anos. Mire a verdade, mije no fuzil, não vote à cabresto, nem que seja gado. Seja grato. Tolere, repense, crie, medite. Beije a boca das borboletas, componha um novo adágio, abandone relacionamentos falidos e convicções reducionistas, pois cada caso é um caso. O prazo é curto. Destrua miragens num piscar de olhos chorosos – o colírio vira néctar quando saímos para flertar com o intraduzível.

PAOLA

IMERGÊNCIA

Não tema o mergulho,
esguicha o orgulho de lado no lago do amar.
O espelho das águas é encontro com teu próprio eu,
sem que este seja o ego sujo pelas mágoas,
cego ante os mais belos transbordamentos.
É o véu de si que se magoa fácil.
Nossa vida é água indócil.
Fluidifica, submerge, emerge e transcende.
Bebe do teu tempo que é agora!

PAOLA

AGOSTO

Mês dos ventos, traga-nos o que o calor levou. Saia de Marilyn Monroe e entre pela janela. Liberdade para não temer o que virá, porque logo saberemos dela. Debaixo para cima, de cabeça para um facho. Dê luz! Banhe rostos com essa fresca lambida dos Deuses nus. Arraste o pó da estagnação e lance o pólen às fertilezas. Assim, brotaremos limpos em alma como após uma lavagem à palo seco. Seremos velhos, porém enxutos, sem essa roupa suja que se lava em casa e não a esmo, sem atingir os olhos atentos dos desamados, nem tingir os rios com sangue derramado como se fosse leite.

DESVANECIMENTO

A razão jorra o que do ralo escoa, quer encurralar o interlocutor de toda forma. Os mais precavidos não meditam sobre qualquer desforra, deixam a prosa tomar seu próprio rumo quando esta se quer monólogo verborrágico. Descarregar é preciso? Trágico! O bom é deixar desaguar em praia mansa, de coração, ainda que o barco esteja torto. Antes que os atiradores de facas acertem o alvo sem oferecer maçã, deve-se transportar o corpo, não como quem foge à resolução amiga, mas à briga mesmo. Com o tempo, o espírito cansa desse afã. À esmo se fica quando a justiça não dá mais liga e se esquece de ouvir o outro. De tão absorto, nem o vê partir. No fim, percebe com a garganta já rouca: é tarde demais. Tarde demais para sentir.

PAOLA

CERCO

Não era nada disto
Aquilo era um ritmo
Um istmo
Cisco no olho que desapercebe
A lebre indo se esconder
Era um buraco negro
Uma roda gigante
Imperceptível, a meu ver
Ceguei para a realidade
Verdade que ignora
Vou embora sem olhar para trás
Até porque a vista ignora
O que o espírito faz

PAOLA

DEGRAU

Cresça e apareça. Pereça a seu tempo, nunca antes.
Que o quedante se restabeleça de ares beligerantes.
A cada passo, deixe-o passar, laço não foi feito para atar.
Atravesse respirando, alteando o pensamento, bem livre.
Vire-se do avesso, fazendo brotar da aversão um verso.
Filtre. Imerso à verdade, não há perigo.
Pois mão, amigo, sempre se estenderá.

PAOLA

ANJO RECAÍDO

O ardor no peito do santo de barro, pela possibilidade da queda de seu alto andor, traduz a essência do anjo caído que se regenera. Esfacelamento que leva à catação de cacos, moldagens novas através de um apalpar sui generis, bem traduzido no filme Ghost – do outro lado da vida. A exemplo, Lúcifer nunca foi tão ferino assim, tudo é farol ou farsa canalizada por dogmatismos. Tudo questão de ponto (luminoso ou trevoso) de vista, a depender dos mantenedores de sua própria ancoragem. Daí, veio a substância que passou a lumiescer na bunda de singelos vaga-lumes: luciferina (do latim lucifer, “que ilumina”), uma pigmentação emissora de luz natural. Pisca-piscas verdejantes.

Só com desilusão parece mais capaz de se aproximar da visão de um quarto olho. Se houver, cabe na passagem de um inferno labiríntico em que me procuro com mais força e razão que antes, tudo pela certeza do paraíso à espreita. Oportunidade de focar e transcender no luto que se cumpre, comprimindo a verdade em porta estreita, entre arriscar e riscar um novo nome de dentro do peito. Em pulsação, ao leito, recebo o resultado desse eletrocardiograma da sorte: traço uma lista das expectativas paralisantes, cheia de altos e baixos. Montanha russansara. Ou fica ou se esvai. De tanto cair-se, levanta. Tontamente, apruma, arruma-se e sai.

PAOLA