REPOUSO

Quando silenciamos, ouvimos os silvos benfazejos das respostas. Mantras impressos nos sulcos da realidade. Tudo à mão, bonança e gratidão dentro de nós. A sós com o todo que há, grandes e pequenos sob a ótica do reconhecimento. Momento de presença na crença de nada, só confiança. Para cada perspectiva, um prisma vasto. De cima ou de baixo, vê-se a amplitude que permeia nosso ser. Estamos, do nódulo da árvore à casca de noz, nas cercanias da eternidade. Asas gordas de ventania pesam levezas em rastro, criança pequena ensina sóis de aurorescer, banho de pé no mar, cantar dentro da gruta, ecoar o olhar do outro dentro do peito, fazer leito no precipício da liberdade, acolher a saudade como forte indício de que vivemos outras eras, mesmo que há poucos instantes. Ressonantes de harmonia, abraçados pelo Amor ao cosmos. Micros e macros que somos, formiguinhas pousadas em gotas que ampliam até estourar tamanho. Do que somos feitos? Espíritos elásticos. Caberíamos dentro de um sonho.