MARULHO DE PEDRA

Petrifico-me ao musgo, sugo o sumo de um lago, largo o medo dentro do rio, sorrio ao vento tal afago. À salvo no verde, a única parede que herdo é constituída por águas límpidas. Atravesso era sem espera de erva daninha. Sou Hera sozinha, amiga do Amor, amante do acaso que dizem que não é. Eu vi um peixe a passeio no raso, em asseio de algas tal vaso de plantas, vedantas, aquário. Redoma de vidro inquebrantável, porque livre. Sem estilhaços de corte, nem cortesia em espalhafatos. Argila molda cada passo no instante do piso. Fundo de lama está para lótus, assim como a sola palmilha o desenho de pés na encruzilhada. Sou estátua tomada em banho áureo, revestida do mármore Carrara, Violeta Parra dos planaltos alienígenas. Quem meu gene regenera? Que raízes meu calcanhar plantou? Ísis de Ícaro, uma mescla de deuses, porque quem me vê não tem nada. Nada no teu mundo e, então, persevera. Cada um põe o Sol à sua maneira. Torra, cega, arde ou cresce. O nascer é quem verdadeiramente me conhece.

Anúncios

MUDANÇA

Não, não intento mudar o mundo. O fundo do meu abismo é mais largo. A ele me lanço e, com ele, trago o melhor que posso, do fosso a um rio, poço profundo para mergulhar, nadar e emergir. Ontem, chamaram-me de gorda e pensei sobre a beleza própria das baleias. Sendo assim, prefiro afundar esse barco com remendos, esguichando águas insólitas sobre as lentes de um Sebastião Salgado. Seu olhar frio parece caudaloso, mas constatações sobre qualquer inexatidão não lhe faz mais perfeito que o mar. Tudo parecerá revolto se assim você está. Em que lugar você se respeita na hierarquia? O que sua franquia de tarifas mal-pagas diria se fosse acabar? E se seu mundo de rodas gigantes parasse no giro? Vomite o céu, atire na terra, respire o ar e voe sobre a pipa do ego crasso, tal cego que mal sabe distinguir as cores, as flores para os sem-narinas, tal prego que não sabe sustentar os Cristos a que mesmo se opõe. Muito se sabe sobre uma coisa em que pouco se acredita. Sinto muito sobre a sua inteligência.

PAOLA

ESTAÇÕES

1f757338b98c58ef9dd625f51cadef1aMadrugada rasga véu com suas unhas compridas
Feito noiva a descasar antes de ter a mão pedida

Nuvens que no papel do azul compõem indrisos
Abrem sorrisos em despedida à pele boa da tarde

O sol sem sono arde pelo ocaso e então apaixona
Raio a colorir mar que ondeia com chuva de outono

Quem tem arco-íris dentro de si vai se abismar?
Nunca encontramos potes de ouro por detrás…
Só ficam além dos portais as nuanças do existir.

HABITADA

Lacrimal nenhum fará à natureza
Quando esta se emprenhar de tua reza
Vai brotar a réstia da esperança
Feito um índio a migrar desse planeta

Canoa furada em lagoa mansa
Não vira em maré ao atingir enseada
Amarrado um chocalho no pé
Sobe ao galho sem querer pertencer

O amanhecer não foge à regra
Existir é negra fonte, inesgotável lida
Ao anoitecer em sonho punhado de areia
Faz um bebê amamentar-se do passado

Ilha pariu uma porção de terra
Sua filha então passou a ser circundada por água
Todos os lados choraram por ela
Bolsa estourou mar em vida.