Tendo-me com árvores. Entendo-me com elas. Desfolhadas ou de copas cheias, é na seiva que o interior do mundo se reflete, assim como os banhos de lua das marés. Em diálogos de vento há mais dança que qualquer corpo morto, sopro de vida solta como quem vai e volta. Quando quer. Inteira aorta. Sentar na raiz para bater à porta, reclinando tronco ao tronco, nessa troca intensa e incensória entre um sim e outro ser. Ramifincar os pés é como refolhar após longa chuva.26114119_10215264090986065_8008050313304411145_n

Anúncios