TOCATA E FUGA

serenade

Uma serenata, quem me fará?
Moro no quinto andar, sou alta.
Traga guindaste, radar e me sequestre.
Tudo em tom grandiloquente, quente e agreste.

Não nasci para louco pouco, frio morto-vivo.
Tem que ter coragem, afinco, mostrar todos os dentes.
Buquê, guitarra, canto, bala e crivo, estar presente.

Atributos robustos a quem me roubará.
A alma? Não. Parte do coração. Partirá?
Porque quando não estou cheia, estou repleta.
De tiros. E aí você terá de me escudeirar.

Bata à minha janela pela madrugada, portanto.
Com aquele silêncio que se pressente em vida.
Venha, mas venha depressa, antes que o sol desponte.
Antes que meu sol poente chore com outro luar.
Antes que eu dê de cara com um poste.
Iluminando meu quarto, me pondo acordada nem que goste.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s