ARBÓREA

Queria ser uma árvore. Daria sombra, flores e frutos aos filhos da mãe Terra. Fincada ao solo, inconscientemente feliz de estar ali ou acolá, respirando e fazendo respirar, incondicionalmente. Pode abraçar! Agora, presente, tronco ereto, emanando olor-madeira sem representar barreira alguma a quem passar. Sem sair do lugar, a não ser quando embalada pela dança do vento, sopraria pólen, salvaguardaria ninhos, germinando sementes que caem, displicentes, mas crescendo para o alto, sempre. De toda maneira, quando a gente morre no corpo é mais ou menos isso o que acontece. Natural. Estrumo e húmus: já que somos humanos, afinal.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s