O mundo todo toma seu rumo na tempestade

Os pássaros se abrigam sobre as asas, os peixes alteiam às cheias marés em cardumes, os amantes se tornam mais amantes e os solitários mais relampejosos dentro de seus quartos. Cobrem os espelhos com lençóis antes usados, tantas vezes divididos com outros braços, bem passados à cabeça, pernas e pés lavados com cheiro de infância. Amaciante ou sabão em pó. E agora, eles teriam medo? Enfado.

Relâmpagos. Anoiteça o que anoitecer, o dia será sempre cinza e gélido e mouco e raro. Só, há quem se proteja dos sonhos em sua própria cama. Amorna. Afunda. Entende. Levanta! Tem lama lá fora para os meninos que saltam poças, as moças levantam a saia molhada feito crianças, agarrando a barra pelos joelhos, enquanto o grosso do tempo ainda escoa pelo ralo…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s