VIA MUNDO

Não sou estranha, sou estrada.
Dirijo meus passos
Sem precisar ser refreada.
Posso parecer estrangeira
Em  meio à legião de fantasmas.
Pele de bruxa reluz na fogueira
E me deixa mais pálida.
Parecer alma não quer dizer
Que tão cedo vá perecer.
Tenho medo só do que me enfada.
O além me abre horizontes
Feito uma via de mão dupla:
De um lado, arco-íris,
De outro, pote de ouro.
Tudo assim, muito certo.
Aberto caminho.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s